Paolo Bassetti vai deixar Ternium do Brasil

Tempo de Leitura: 2 min

Executivo italiano deixará Grupo Ternium/Techint com a missão cumprida de pacificar a Usiminas, siderúrgica que protagonizou a maior contenda entre sócios de empresas listadas em bolsa no Brasil.

Veio com grande surpresa, diretamente de Milão na Itália, a notícia de que o executivo Paolo Bassetti, presidente da Ternium Brasil, que representou o grupo na contenda com os sócios japoneses da Nippon Steel deixará o grupo no início do mês de julho desse ano. Paolo, executivo de carreira, esteve a frente de vários empreendimentos do grupo em diversos países como Romênia, Itália, México e Brasil por mais de 10 anos. Ficou muito conhecido em Ipatinga durante os quase 04 anos da disputa no bloco de controle da empresa entre os italianos da Ternium e os japoneses da Nippon Steel quando realizava encontros com lideranças governamentais, parlamentares, entidades e grupos da sociedade civil para apresentar a visão do grupo empresarial, face as disputas judiciais que foram deflagradas pelos desentendimentos ora em relação ao conselho de administração da siderúrgica, ora com conselheiros e com acionistas.

Bassetti, estilo “latino” oferecia um diálogo objetivo, com análises e opiniões contundentes quando falava para os diversos públicos nos encontros em Ipatinga. A imprensa regional pode, por diversas vezes, testemunhar o tom incisivo na defesa dos interesses dos acionistas italianos e, sobretudo, a priorização da Usiminas e sua diretoria que passaria a reconduzir a empresa a dias melhores.

Momentos difíceis

Bassetti viveu momentos tensos em 2016 quando a Usiminas apresentava estado crítico e, sem o aporte de 1 bilhão realizado pelos sócios do bloco de controle, com certeza, entraria em processo de recuperação judicial. Teve que mobilizar, por diversas vezes, para que a empresa recebesse por parte da comunidade o apoio necessário, sobretudo, à diretoria comandada pelo Presidente Sérgio Leite de Andrade. Por outro lado, nos bastidores, coordenava a atuação de advogados que permitiam, por meio de recursos jurídicos, manter a presidência de Sérgio Leite, sobretudo, na atual recondução ao cargo realizada em março de 2017.

Futuro 

Pra onde o executivo vai seguir sua carreira após 1º de julho ainda é uma incógnita. No entanto, uma coisa foi garantida por ele mesmo: permanecer no Brasil. A complexidade do país, apesar dos momentos conturbados que vivemos nos últimos três anos, sobretudo, na esfera política (saída de uma presidente por meio de processo de “impeachment” e a sustentação de um governo que, por enquanto, se valeu pela equipe econômica que busca reconduzir o país ao crescimento) não assustou esse italiano de Milão que, ao contrário do que se possa imaginar, não tem no futebol seu principal lazer (Basseti é casado, com filhos que atualmente moram nos Estados Unidos e tem no Tenis seu esporte preferido). O executivo é bem-humorado, e se tornou a voz da companhia ítalo-argentina na tentativa de solucionar os conflitos com a japonesa Nippon.

Carreira

Paolo é dono de um currículo invejável. Estudou Economia em Londres (Inglaterra), História em Bolonha (Itália) e frequentou o Massachusetts Institute of Technology (MIT), uma das mais renomadas escolas de tecnologia do mundo.

Paolo Bassetti na sua última reunião com o grupo de empresários “Raízes” para explicar o acordo de acionistas assinado no início de fevereiro.

Bassetti, no Brasil, foi presidente da Ternium desde setembro de 2014, vice-presidente da Usiminas, Usiminas Mecânica, Mineração Usiminas e Usiminas Automotiva de 2012 a 2014 e vice-presidente da Ternium Brasil de 2010 a 2012.

Como ele disse, é um “fim de ciclo” que tem, em sua conta, a sensação de dever cumprido. Despede, de Ipatinga com um “até logo” (ainda aguarda definições no âmbito privado para confirmar presença na religação do alto forno 01 da Usiminas, marcado para o próximo dia 17).