Tempo de Leitura: 1 min

O governo de Minas Gerais voltou a citar o mês de novembro como uma possível data para desobrigar o uso de máscaras de proteção contra a Covid-19 para as pessoas em espaços abertos e arejados, como ruas e parques. A informação foi citada em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira (14) pelo  secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti,ao ser questionado sobre o tema.

No entanto, Baccheretti ponderou que a expectativa não é certeira, e se baseia nas experiências de outros países sobre o tema. “Outros países já passaram por isso (a desobrigação) após conquistarem essa imunidade de rebanho, que entre 70 a 80% da população com o esquema vacinal completo e a circulação baixa do vírus. Nós estamos com circulação baixa, então, olhando para outros países, vê isso como possível, mas é um passo de cada vez”, ponderou.

O gestor foi enfático ao dizer que o equipamento – exigido pelo poder público desde março de 2020, com o início da pandemia de COVID-19 – ainda é imprescindível. Ele admitiu, contudo, que a pasta cogita flexibilizar o uso do item partir de novembro deste ano. “Quando eu falo sobre a desobrigação do uso de máscara, me refiro a locais abertos e arejados, como ruas, praças e parques. A gente sempre tem que olhar para outros países que já passaram por isso. E quando eles passaram por isso? Quando alcançaram a imunidade de rebanho, 70%, 80%.

Em tom cauteloso, o secretário reforçou a necessidade de alta taxa de cobertura vacinal com no mínimo duas doses para considerar desobrigação. Dados divulgados pela SES-MG nesta quinta (14/10) apontam que pouco mais da metade da população mineira (52,14%) acima de 12 anos está totalmente protegida.

Com informações de OTempo e EM.

Artigo anteriorJogadores do Cruzeiro não se apresentam para treinar. Greve está deflagrada!
Próximo artigoGoverno não trabalha com hipótese de racionamento de eletricidade