CAMINHOS GERAI–CROSS-SELLING3
Tempo de Leitura: 1 min

Mesmo com a visitação fechada ao público, o zoológico da Usipa continua com suas atividades internas normais, realizando o acolhimento e tratamento de diversos animais da fauna tupiniquim. Para isso, o espaço, administrado pelo Centro de Biodiversidade da Usipa (Cebus), conta também com a ajuda de voluntários, que doam tempo e materiais necessários para o desenvolvimento do trabalho feito pelos profissionais da área. É o caso do Roberto Cláudio Lúcio, morador de Ipatinga e voluntário do Cebus. Militar da reserva e ex-atleta do atletismo da Usipa, Roberto tem como hobby a marcenaria. Em seus momentos de lazer, produziu, em casa diversas caixas de madeira reutilizada, que servem de ninho para aves atendidas pela equipe do Cebus.

Segundo Roberto foi uma contribuição mútua. “A gente faz o bem para a natureza e ela devolve, de diversas formas, o bem que recebe. A sociedade tem que prestar mais atenção e contribuir mais. Tem muita oportunidade de ajuda no Cebus e, com um pouco de cada um, podemos melhorar a qualidade de vida dos animais atendidos”, disse.

Para o médico-veterinário e responsável técnico do Cebus, Lélio Costa e Silva, “ser voluntario não é só comparecer ao Cebus e alimentar os animais. Envolve muito mais trabalho e dedicação. Acionar os órgãos ambientais ao encontrar um animal em risco, não manter animais silvestres em cativeiro irregular, manter lixeiras tampadas e longe do acesso de animais silvestres, não jogar lixo nas ruas, tudo isso são ações que ajudam a reduzir o risco de um animal necessitar de assistência no CEBUS. Basta ter boa vontade e amor à causa”, finalizou.

“Eu sempre fui apaixonado com a natureza, especialmente as aves. Quando soube pela minha filha, que também é voluntária lá, que estavam precisando de novos ninhos, corri para minha oficina. Tenho muita madeira de reuso e pensei na melhor forma de ajudar. Me sensibiliza muito a causa animal e fico grato por poder fazer um pouco para melhorar a situação deles”, disse o voluntário