CENIBRA – BIODIVERSIDADE – CUSTOM AD#3
Tempo de Leitura: 2 min

A fabricante de materiais de construção Eternit comunicou na noite de segunda-feira (19) que ajuizou pedido de recuperação judicial na comarca de São Paulo. Em fato relevante, a companhia justificou o pedido alegando persistente deterioração dos fundamentos da economia, as discussões legais acerca do uso do amianto e queda na demanda e nos preços desse material.

FATO RELEVANTE

Pedido de Recuperação Judicial

ETERNIT S/A (“Companhia”), em cumprimento ao art. 157, §4º da Lei nº 6.404/76 (“LSA”),

comunica a seus acionistas e ao mercado em geral que ajuizou, nesta data, em conjunto com suas controladas e controlada em conjunto, SAMA S.A. – MINERAÇÕES ASSOCIADAS,TÉGULA SOLUÇÕES PARA TELHADOS LTDA., ETERNIT DA AMAZÔNIA INDÚSTRIA DE FIBROCIMENTO LTDA., PRECON GOIÁS INDUSTRIAL LTDA., PREL EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. e COMPANHIA SULAMERICANA DE CERÂMICA S.A. (“Grupo Eternit”), pedido de recuperação judicial perante a Comarca da Capital do Estado de São Paulo, nos termos dos artigos 51 e seguintes da Lei nº 11.101/05. O pedido, que se soma a uma série de medidas administrativas e operacionais que já vinham sendo adotadas pela Companhia, foi aprovado ad referendum pelo Conselho de Administração da Companhia em reunião realizada hoje.

O pedido tem o intuito de atender ao melhor interesse de todas as sociedades que integram o Grupo Eternit, em especial: (i) preservar a continuidade das atividades do Grupo Eternit e sua função social, com o cumprimento dos compromissos assumidos com seus clientes; (ii) preservar, de forma organizada e responsável, os interesses e direitos de seus fornecedores, credores e acionistas; e (iii) proteger o caixa da Companhia e das sociedades do seu grupo objetivando mitigar riscos operacionais.

O pedido de Recuperação Judicial e os ajustes administrativos já realizados e ainda em processo de implementação se deveram, principalmente: (i) a persistente deterioração dos fundamentos da economia, que afetaram drasticamente os setores de construção civil e louças sanitárias, justamente os mercados atendidos pelo Grupo Eternit, (ii) as discussões legais acerca da extração, industrialização, utilização, comercialização, transporte e exportação do amianto, que vêm impactando as operações do Grupo Eternit e limitando o acesso da Companhia à concessão de novas linhas de crédito; e (iii) a queda na demanda e nos preços do amianto, nos mercados nacional e internacional, reduzindo a rentabilidade.

A Companhia manterá seus acionistas e o mercado informados sobre o desenvolvimento dos assuntos objeto deste Fato Relevante, e divulgará oportunamente, na forma da legislação e regulamentação vigentes, demais informações relativas ao processamento do pedido de recuperação judicial.

São Paulo, 19 de março de 2018.

Rodrigo Lopes da Luz

Diretor de Relações com Investidores

Artigo anteriorAAPI inaugura unidade de saúde no Cidade Nobre
Próximo artigoSetor do Aço pede a Temer apoio